Humanizar relações de trabalho é desafio para gestores

Mudança de perfil dos líderes exige profissionalismo no gerenciamento das equipes

A forma como as empresas tratam seus colaboradores, clientes e fornecedores sofre transformações e é natural que o perfil do líder também precise ser modificado. Um dos conceitos atuais é o de humanização nas relações entre os gestores e suas equipes de trabalho. “O líder da atualidade não tem mais aquela característica do antigo chefe, mas sim de uma pessoa que se envolve com a equipe, é empático e sabe conduzir o seu time. Deve não apenas cobrar ordens e resultado, mas estar próximo das pessoas e através disso vai ser possível obter melhores resultados tanto no campo emocional como no aspecto prático”, explica o diretor da RH Mattos, Cássio Mattos. Um dos desafios para as grandes corporações e organizações é saber de forma mais profunda quem é o líder de suas equipes e assegurar-se de que suas características estão conectadas com a cultura da empresa. Por conta do cenário da pandemia do coronavírus, as mudanças também foram impactantes, o que exige um preparo adequado. “Em situações de desligamentos, é preciso conhecer muito bem as pessoas que compõem o quadro de colaboradores. Houve muitos casos de afastamento de profissionais mais experientes e a reposição em muitos casos é feita com alguém com menos experiência. A consultoria, nestes casos, ajuda bastante, para que seja feita uma avaliação adequada do processo considerando especialmente o que chamamos de prontidão para o cargo, onde a empresa poderá mapear o grau de prontidão dos seus profissionais para o novo desafio, dando sequência com planos de desenvolvimento destes colaboradores. Ou ainda, para alguns casos, o mapeamento de potencial poderá fazer mais sentido, visto que uma avaliação com foco em identificar e antever potencial das pessoas pode ser realizada”.




12 visualizações0 comentário